19 setembro 2006

V.I.T.R.I.O.L

V erdade sem engano, certo e muito verdadeiro, como o verbo e a

palavra e o
Í gneo Poder Primeiro – A Criação desvelada – no teu corpo impoluto,
desnudado inteiro…
T eorema arcano, no silêncio dos meus dedos, perpetrado… A negro,
na tua alma.
R evelando, sem pudor, por caminhos ocultados, a virtude dessa
Obra Magna.
I gnoto deus… lá, onde a Vontade rasga o desejo que te devolve às
mãos, que teu corpo tecem
O nde a razão de te ser é a via sublimada, liberta a luz dessa alba e
velha serpe, que
L ânguida, e no teu corpo exangue enroscada, te despoja de ti e te
renasce do nada.

1 comentário:

Lumiel disse...

... eu?